11 de nov de 2015

Compreensão leitora.

Leitura complementar:


Aprender a ler e compreensão do texto: processos cognitivos e estratégias de ensino




Estratégias e etapas de leitura


Reading comprehension strategies checklist.


Estratégias de leitura.

Variadade de atividades acerca leitura e compreensão de text. Vale a pena conferir esses modelos:

http://www.ereadingworksheets.com/e-reading-worksheets/all-reading-worksheets-list/





Video Aula

A video aula é uma ferramenta miaditica, usada para auxiliar no ensino e aprendizagem dos estudantes, proporcionando a eles uma visão maior do conteúdo abordado, tornando a aula mais dinâmica, aumentado a circulação das informações de forma mais atrativa.
Para os professores, saber utilizar o poder dos vídeos é de fundamental importância e essa capacidade não pode ficar fora de seu currículo.                           
É necessário ter desenvoltura em frente às câmeras e nesta hora a timidez não tem espaço. O professor ou o apresentador deve ter familiaridade não apenas com o assunto, mas ser articulado, desinibido e ter uma boa oratória. A empatia com o público será determinante para o sucesso da sua videoaula.
Os benefícios do uso de vídeos como ferramenta de ensino em sala de aula são vários:
  Ø  Acessibilidade ao conteúdo
  Ø  Os elementos visuais
  Ø  Interações alem da sala de aula
  Ø  Material complementar
  Ø  Fomentação da criatividade





Bibliografia:
  • ·        http://aprendendoemcasa.net/07-ferramentas-para-criar-video-aulas-e-tutoriais/
  • ·        http://blog.hotmart.com/pt/produtores/como-fazer-videoaulas-atraentes/
  • ·         http://noticias.universia.com.br/destaque/noticia/2012/10/03/972423/11-motivos-usar-videos-em-sala-aula.html

10 de nov de 2015

Telejornal como ferramenta de ensino-aprendizagem.

O telejornal  como ferramenta de aprendizagem e compreensão leitora.

O ensino da língua portuguesa por meio do telejornal tem como objetivo ampliar as possibilidades do uso da linguagem e compreensão de seus códigos para uma real avaliação crítica e fidedigna da realidade e do contexto a que a informação se apresenta.


O trabalho de reflexão e análise de um texto, falado ou escrito, tem como meta a qualidade do uso da linguagem contribuindo para a reflexão por meio de produção e interpretação de textos, objetivando a análise metalinguística, utilizando-se textos reais do cotidiano social em que o ouvinte/receptor está inserido.

Ler não é somente decodificar os códigos convertendo letras em sons, mas também compreender o que se está lendo, atribuindo significado.

Muitas pessoas possuem dificuldades para escrever e ler um texto, porém expressar-se oralmente é algo que acontece de forma natural. A linguagem deve ser trabalhada de forma a conhecer seus significados culturais e sociais, dando sentido e não apenas ensinar palavras. O trabalho na interpretação deve ser interagido socialmente dentro do contexto e realidade da sociedade.



Então, o telejornal por meio dessa ótica desenvolve várias habilidades que faltam nas pessoas atualmente como, por exemplo, o senso crítico que é o poder de avaliar várias questões por pontos de vistas diferentes, deixando de lado o senso comum e reavaliando o seu contexto social.

Fonte: http://www.fals.com.br/revela18/REVELA%20XVII/artigo4_revelaXI.pdf
Bagno, Marcos. Nada na língua é por acaso: por uma pedagogia da variação linguística -  São Paulo: Parábola Editora, 2007.

Alunos: James Meireles, Frederico Vaz, Rafael Almeida e Leonardo Ramos

6 de nov de 2015

A Música como processo de aprendizagem

         

         A música contribui para o desenvolvimento cognitivo e emocional da pessoa humana,segundo Pfulzenruiter(1999.p.5).O aluno que aprende através da música amplia a forma de se expressar e de entendimento do mundo em que vive e do pensamento criativo.
Para o professor obter um bom uso das músicas em sala de aula é necessário conhecer o contexto da música.Deve-se entender que todas as composições tem uma atmosfera ideológica,a qual deve ser compreendida.Letras e melodias musicais expressam reações e pensamentos de quem as compõe.
Através de "canções",o aluno explora o meio circundante e cresce do ponto de vista emocional,afetivo e cognitivo.


O trabalho com música deve ser cauteloso,para que o professor  não explore apenas a área da gramática,entretanto outras áreas,como: produção de texto,interpretação crítica,promover debates sobre os temas presentes nas letras,comunicação verbal e visual,participação e reflexão. A música nos dá a oportunidade de aprendizado não apenas na língua portuguesa,porém,em outras disciplinas,como: história,geografia,sociologia,filosofia e até na área de exatas.

        O professor avalia ao contexto histórico do aluno, social e os recursos como ferramentas de trabalho que a escola tem para oferecer.Trata-se do trabalho com o conteúdo resultante das experiências de vida dos alunos,o professor acompanha o processo,mas não interfere na realidade como afirma Fernandes.
         No contexto social,a música ajuda a formar e trabalhar o processo de transformação social:atitude,valores e pensamentos da sociedade.Assim como toda arte,ela pode ser inserida nos métodos de ensino-aprendizagem.Pode ser um meio de analisar e entender as transformações sociais políticas e culturais ocorridas no mundo.
         Desde muitos séculos atrás,na Idade Média,época em que os trovadores faziam suas cantigas amorosas,satíricas e de escárnios,até os dias de hoje,percebe-se a influência do contexto,como afirma Medina(1973,p.17)qualquer grupo humano necessita de símbolos que expressem seus valores,precisa de cânones aceitáveis e aceitos de interpretação de realidade vivida.

         Foram realizadas entrevistas com professores da rede pública e particular da 8° série do Ensino Fundamental onde foram contadas várias experiências em sala de aula.Um deles expõe sua resposta em três títulos:
-Música Clássica : Ouve-se a música como uma espécie de relaxamento,faz se um desenho da apresentação ao ouvi-la,só então parte-se para a produção de texto; 
-Música Contemporânea: leitura da letra,canta-se e depois passa a gramática;
-Músicas Antigas : Análise de vocábulos arcaicos.Outros professores comentam que consideram válidos trabalhos com estilos diversificados,como forma de análise crítica e comparativa(não apenas que diz respeito a estrutura:vocabulário,variação,linguística...) 





Deve-se promover pesquisas e debates de letras que se relacionem pela temática,usando-as para contextualizar o ensino de regras gramaticais,como ponto de partida para a produção textual.Enfim,a  música é arte,cultura e pode ser usada na educação como um método descontraído de ensino-aprendizagem.









5 de nov de 2015

Ensino Aprendizagem através de Jogos

Ensino Aprendizagem através de Jogos
   
A aprendizagem se constrói através de um processo interno do aluno, fruto de suas próprias pesquisas e experimentações, sendo que o professor atua como o mediador. Tais características podem ser obtidas através do lúdico, seja na forma de jogos e brincadeiras.
       Primeiro vamos entender o que significa ludicidade. Para Élia Amaral do Carmo Santos (1999), É uma experiência vivenciada que nos dá prazer ao executá-la. Por meio da ludicidade a criança se relaciona com o outro e aprende a ganhar e perder, a respeitar a ordem na fila, a aceitar as frustrações, e a expressar as suas emoções. Qualquer atividade que cause uma experiência positiva, divertida e prazerosa pode-se chamar de lúdica. Percebemos a importância de oportunizar ao educando momentos de prazer e de experiências lúdicas, experiências que são capazes de contribuir para o convívio social na escola e na sociedade.
   Cultivar a espontaneidade, diálogo, convivência em grupo, pois as crianças geralmente não brincam sozinhas, sendo que o jogo proporciona oportunidades para ela pensar e falar, saber combinar momentos de brincadeiras livres (lazer) e atividades orientadas (escola) (KISHIMOTO, 1998).



    Conforme Almeida (2000), a ludicidade contribui e influencia na formação do aluno, possibilitando uma evolução constante no conhecimento. Contudo o mesmo só será garantido se o educador estiver preparado para realizá-lo. Élia Santos (2001) confirma que “a aceitação da ludicidade, por parte dos professores, não garante uma postura lúdico-pedagógica na sua atuação”.
    O jogo propicia um ambiente favorável ao interesse da criança, não apenas pelos objetos que o constituem, mas também pelo desafio das regras impostas por uma situação imaginária.
·         incentivar a ação do aluno
·         incentivar a decisão em grupo no estabelecimento das regras
·        apoiar os critérios escolhidos e aceitos pelo grupo para decisões, evitando interferir ou introduzir a escolha destes critérios
·         limitar-se a perguntar, frente ao erro ou acerto, se concordam com os resultados ou se alguém pensa diferente e porquê, evitando apontar ou corrigir o erro
·         estimular a discussão de ideias entre os jogadores e a criação de argumentos para defesa de seus pontos de vista
·         estimular a criação de estratégias eficientes, discutindo os possíveis resultados
·         estimular a antecipação dos resultados, no encaminhamento que se quer dar a partida
·         incentivar a criação e uso de sistemas próprios de operar (ação mental)



    Através dos jogos e brincadeiras, as crianças se preparam para a vida adulta, e sabemos o quanto é necessário ensinar e aprender a conviver, uns com os outros, na sociedade, pois as brincadeiras tem um grande poder educativo. Para isso, é preciso criar uma pedagogia baseada no respeito, ajuda mútua, cooperação e no amor, os seres humanos precisam de alegria para viver com plenitude.
        A mediação do docente com seu aluno na hora do jogo é muito importante e deve ser feita no momento certo. Assim o aluno assimilará melhor o conteúdo trabalhado, poderá vivenciar, descobrir, criar e recriar regras.




    Independente dos modos de mediação o professor precisa ter em mente que o lúdico deve ser encarado com muita seriedade, ou seja, o professor que irá utilizar o lúdico em suas aulas deve saber planejar, organizar o ambiente e os materiais e ter consciência da funcionalidade motivadora do lúdico e sua contribuição no desenvolvimento de seus alunos. O professor não deve utilizar o lúdico para preencher o tempo livre após uma explicação ou avaliação e sim utilizá-lo como fim pedagógico.

  Diante do exposto, e como graduandos preocupados com o futuro dos alunos, concluímos que todos têm o compromisso de participar da construção de saberes, utilizando técnicas que surtam os efeitos desejados de forma a amenizar as dificuldades de aprendizagem. Mas antes de utilizar o lúdico como ferramenta de ensino e aprendizagem é necessário que se pare de pensar no lúdico apenas como forma de diversão nas horas livres ou mero passatempo,e passar a ser encarado como uma ferramenta de grande importância no ensino-aprendizagem.

Bibliografia:
http://brinquedoteca.net.br/?p=1818
http://www.efdeportes.com/
https://psicologado.com/atuacao/psicologia-escolar/a-importancia-do-ludico-no-processo-de-ensino-aprendizagem-no-desenvolvimento-da-infancia
Dicionário Prático da Língua Portuguesa